Doze mulheres são assassinadas todos os dias, em média, no Brasil, segundo dados do Núcleo de Estudos da Violência da USP e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados em 2017. Para estimular a reflexão sobre esta triste realidade na sociedade brasileira no mês do Dia Internacional da Mulher, a UNISUAM promove, no dia 28, às 18h30, mesa redonda sobre a violência contra a mulher. Aberto ao público, o evento faz parte o IV Encontro sobre Mulheres e acontece no auditório Amarina Motta, na Unidade Bonsucesso. O objetivo dos organizadores é ampliar a compreensão sobre o fenômeno da violência contra a mulher e debater as formas de enfrentamento pelas vias das políticas públicas e sociedade civil.

No Brasil, anualmente, são registrados 4.473 homicídios dolosos, sendo 946 feminicídios, ou seja, casos de mulheres que perdem as vidas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero. Isso significa que uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil. No mais recente relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocupa a sétima posição entre as nações mais violentas para as mulheres de um total de 83 países.

“Esta é uma discussão importante no processo de formação dos alunos, especialmente, os matriculados nos cursos de Serviço Social e Direito, que atuam nas diversas frentes, da prevenção ao acompanhamento a essas mulheres, no âmbito da saúde e da justiça, dentre outras áreas”, ressalta a professora Marcia Vieira, coordenadora do curso de Serviço Social da UNISUAM e da comissão organizadora do evento.

A violência contra a mulher, considerada fenômeno que independe de classe social e etnia, tem atingido um número alarmante de mulheres. Estas sofrem vários tipos de violência: física, psicológica, dentre outras, chegando ao feminicídio, alerta Ronaldo Figueiredo Brito, coordenador do Curso de Direito da UNISUAM e da comissão organizadora do encontro.

A mesa redonda contará com as palestrantes Sandra Maria Pinheiro Ornellas, Delegada de Polícia, Professora de Direito Penal e Pós-graduada em Gênero e Direito pela EMERJ, e Kelly Curitiba Pimenta de Carvalho Queiroz, Enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro – Sala Lilás, um espaço criado para prestar atendimento especializado e humanizado às mulheres vítimas de violência física e sexual, e Residente da Clínica Médica e Cirúrgica da UERJ.

Serviço

Data: 28/03/2018 (quarta-feira).
Horário: 18h30 às 22h00.
Local: Auditório Amarina Motta – Unidade: Bonsucesso (Av. Paris, 84).
Entrada gratuita.

Share:

Revista Hashtag Rio

administrator

Especializada em Cultura (Arte, Lazer e Entretenimento).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *